sexta-feira, 16 de abril de 2010

Conte o sonho... como sonho.


Apesar do meu blog não ser um diário de sonhos, aqui vai mais um (acho que terceiro). Faço isso em razão do sentimento que alguns sonhos me trazem. Não creio que o sonho seja algum tipo de revelação, mas considero digno de registro alguns que de alguma forma são interessantes. Um colega de ministério e blogueiro até me criticou por isso, mas não vou dizer o seu nome por que seria algo "dantesco" e "noutético" (rsss).

Pois bem, vamos ao sonho. Nele eu cheguava na igreja onde pastoreio para o culto de domingo, porém tudo estava completamente diferente. Primeiro que o templo não era nem o novo e nem o antigo, mas uma casa de esquina com varada de fora a fora. As pessoas tiraram os bancos de dentro do salão para o culto acontecer no quintal ao redor dessa varanda. Havia muita gente, mais do que minha pequena igreja possui em número de membros. Era mais estranho ainda a proposta de liturgia, onde ao invés de um culto simples, sendo eu o pregador, haveriam "atrações" diversas. Vi uma senhora de aparência emburrada e vi muitos jovens preparando-se para o que seria a "apresentação" do culto. Até então eu me contive e deixei acontecer para ver onde ia parar.

Começou então o suposto culto, e o que se viu foi um desfile apresentações artísticas. Não me lembro dos detalhes dessa parte do sonho, mas sei que ninguém pregava a palavra, eram apenas "performances". Um presbítero da minha igreja virou para mim e disse: vou para o cinema que eu ganho mais. Disse-lhe que tínhamos que enfrentar aquilo juntos.

Quando pela primeira vez tentei impedir a continuidade do "show", uma senhora da minha igreja tomou o microfone do sujeito que mais parecia um contador de causos que um pregador, mas passou para outra pessoa. A essa altura eu já estava no "púlpito" (que na verdade era a quina da varanda), e fique ali esperando para eu mesmo tomar o microfone e falar. Fechei os olhos e orei para que Deus falasse àquele povo que eram muitos. Quando abri os olhos dois jovens estavam indo em direção ao púlpito com um saco de pancada e vestido com roupas de luta. Peguei o microfone e disse que podiam se sentar.

Passei a falar para todos ali que não tinha nada contra artes marciais, e que até treino muay thai (o que não é sonho). Falei também que o púlpito não é lugar para tudo aquilo que estava acontecendo. Parafrasendo Paulo em Atenas (Atos 17.22), disse a todos que em tudo pareciam gostar muito de histórias, e que a Bíblia é um livro com muitas histórias. Disse ainda que a Bíblia e suas histórias eram diferentes dos demais livros de história por alguns motivos. Mencionoei então um texto do Evangelho de João onde ele diz:

Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. (20. 30-31)

Nesse momento minha voz começou a falhar, e o sonho foi interrompido. Acordei pensando na diferença entre os registros históricos da Bíblia e dos demais livros. Considerei então dois pontos:

1. As narrativas históricas da Bíblia são fidedignas - podemos confiar em sua veracidade pois não se trata de "uma versão da verdade".
2. Estas narrativas foram registradas conforme a Verdade, de maneira que crendo nela, estamos crendo no Filho de Deus, para que assim tenhamos vida em seu nome. Nenhum outro registro histórico pode salvar o pecador.

Depois de pensar nessaa implicações do texto, pensei também no que poderia ter influenciado para a existência desse sonho. Pela manhã eu tinha conversado com alguns amigos pastores, e falávamos sobre a disposição dos jovens atualmente em transformar programações da igreja em festas que nem de longe apresentam um espírito cristão de comunhão, louvor e edificação para suas vidas. Basta um som alto e um ajuntamente até altas horas da madrugada para o evento ser uma benção. Um outro fator que acredito ter influenciado foi ter assistido essa semana o video de Davi Silva, integrante do ministério Casa de Davi, onde confessa que muito do que ele testemunhou e profetizou até hoje nas igrejas era mentira.

Pois bem, meu sonho foi apenas um sonho que achei interessante registrar. Não tenho nenhuma pretensão de que ele seja entendido como profecia ou que se lhe faça uma alegoria. Conforme determinou o SENHOR, conto o sonho como sonho.

Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, proclamando mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei.
Até quando sucederá isso no coração dos profetas que proclamam mentiras, que proclamam só o engano do próprio coração?
Os quais cuidam em fazer que o meu povo se esqueça do meu nome pelos seus sonhos que cada um conta ao seu companheiro, assim como seus pais se esqueceram do meu nome, por causa de Baal.
O profeta que tem sonho conte-o como apenas sonho; mas aquele em quem está a minha palavra fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? -diz o SENHOR.
Não é a minha palavra fogo, diz o SENHOR, e martelo que esmiúça a penha?
Portanto, eis que eu sou contra esses profetas, diz o SENHOR, que furtam as minhas palavras, cada um ao seu companheiro.
Eis que eu sou contra esses profetas, diz o SENHOR, que pregam a sua própria palavra e afirmam: Ele disse.
Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o SENHOR, e os contam, e com as suas mentiras e leviandades fazem errar o meu povo; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e também proveito nenhum trouxeram a este povo, diz o SENHOR.
(Jeremias 23. 25-32)

2 comentários:

Leide disse...

Achei seu blog por acaso, e resovi fazer um comentário aqui... Vc diz que não acredita que sonho seja revelação? Mas o Senhor Ele nos revela através de sonhos e até nos dá direção. Joel 2:28,29 diz que naquele dia, descendo o Espirito de Deus, os jovens teriam visão e os velhos sonhariam. Isso é biblico. Portanto, considere seus sonhos. Abraço, fique na paz do Senhor Jesus!

Adalberto A. R. Taques disse...

Olá Leide;
Seja bem vinda ao Hapax.
De fato, sonhos foram instrumentos de revelação usados por Deus no A.T, e ocasionalmente no N.T.
Creio q o texto de Joel se cumpriu em Atos 2, e q a referência a sonhos ali diz respeito a ampla revelação dada apartir do derramamento do E.S no Pentecostes. Hj, Deus se revela tão somente pela sua Palavra.
Agora... q sonhos são as vezes interessantes, as vezes são.
Abs... Deus abençoe!